Total de visualizações de página

13 de jul de 2016

Uma mina bacana.

Sou uma mina bacana.
Daquelas que acorda de madrugada para atender amigo bêbado que sofre de amor.
Que come brigadeiro quando está triste. E quando está feliz também.

Sou uma mina bacana, que chora ao ver o filme do Bob Sponja e que tem medo de assombração.
Daquelas que se comove com a dor do outro e, quase sempre, esquece de pensar em si mesma.
Que queria uma casa no campo, com muitos cachorros e com barulho de chuva caindo no telhado.

Sou uma mina bacana, que chora escondida no chuveiro e que tem medos. Muitos. Mais do que gostaria. Porque os medos são necessários para nos tornar mais fortes, maduros, e até um pouco mais evoluídos. Mas, ultimamente, meus medos tem sido mais fortes do que a minha capacidade de lidar com eles.
Daquelas que sofre calada, que abaixa a cabeça para não contrariar o marido (mas que não adianta de nada, porque ele fica puto mesmo assim e a culpa, quando tudo dá errado, sempre será sua.)
Que queria receber o que lhe é de direito e sumir no mundo, com sua cria debaixo de um braço e seu cachorro, debaixo do outro.

Sou uma mina bacana, que queria mudar o mundo. Criar uma ONG, OSCIP, Coletivo, sei lá, qualquer coisa que ajudasse outra tantas minas bacanas que estão perdidas por esse mundão de meu Deus, sofrendo sozinhas, caladas, sem apoio, sem grana, sem teto.
Daquelas mãezonas que querem abraçar o mundo, a Via Láctea, o Universo mas que sempre tem um abraço de urso guardado esperando por um amigo, por uma criança querendo colo, por um cachorrinho abandonado.
Que queria muitos abraços, mais compreensão, mais apoio emocional, mais dedicação, mais...mais...mais...

E mesmo assim, continuo sendo uma mina bacana.
Que luta contra a maré, que contrariou as estatísticas, que passou pelo preconceito e que se manteve viva, um pouco lúcida, e ainda com um resquício de fé em Deus.


16 de mar de 2016

Um desabafo sobre a meritocracia, as manifestações de domingo e Lula na Casa Civil.


"FALAR É FÁCIL, DIFÍCIL É SE OLHAR NO ESPELHO" - EUZÉBIO,Padre (Rafael Sânzio)

Eu nasci numa família de extrema direita.

Todos nós (os 7 netos na época, hoje somos 10) fomos, desde o nascimento, alimentados com boa comida, leite em pó, complexos vitamínicos e remédios homeopáticos.
Nascemos com uma boa casa para morar, uma cama quente para dormir, todos tivemos babás, todos tivemos ensinos de extrema qualidade, todos tivemos referências religiosas, musicais, artísticas, e, salvo a minha humilde pessoa que vos fala, todos tiveram apoio familiar para estudar e se formar como indivíduo e cidadão.

Referências de caráter e índole não nos faltaram, nunca corremos riscos reais pois nossos pais sempre privaram pela segurança e pelo bem estar da família.

Dentro desse cenário, é um pouco infantil não assumir que o sucesso pessoal e profissional era um alvo óbvio a ser atingido, dependendo apenas, do esforço e dedicação de cada um para completar o que nossos pais nos proporcionaram.

Aí eu fico na dúvida: o sucesso atingido pelas pessoas da minha família se deve ao mérito individual ou à toda estrutura gerada pelos meus tios? (não me enquadro nessa porque ainda não obtive o sucesso que almejo, mas é questão de tempo).

E aí eu caio na manifestação de domingo.

Sim, vi inúmeros posts na minha timeline com fotos, dizeres e, que coisa, até o pedido de "Volta Ditadura" circulando por aí.

Meu avô foi um ativista dos direitos dos plantadores de cana de açúcar de Ponte Nova.
Lembro do meu velho Juquinha sentado nas tardes pós almoço escrevendo seus infinitos textos em papéis de ecocardiogramas usados, e, quando ele me pedia para revisá-los, eu via nitidamente todo o furor e emoção na luta pelo seu povo, sofrido, sem direitos, que ainda não tinham conseguido galgar qualquer reconhecimento e, lamentavelmente, até hoje vivem quase na base do trabalho escravo, sem opções, sem direitos, apenas com a "chance" de ganhar uma ninharia para sobreviver. E sim, ele foi perseguido pela Ditadura.

Minha mãe fez o curso de Direito na UFMG logo quando houve a transição da Ditadura para a Democracia (Tancredo Neves) e lembro-me dela chegando em casa esbaforida porque a UFMG havia sido invadida pelos militares em busca de revolucionários comunistas e ela teve que sair às pressas, não porque fosse uma comuna, mas sim, por ser uma jovem estudante de Direito que "poderia ser um perigo para a sociedade". Justo ela, a pessoa mais de Direita que eu já conheci na vida... Não sabiam de nada, inocentes.

Sei que vivi muito pouco sobre esse período negro da nossa História, mas tudo que visualizei, guardei no meu âmago e hoje, posso entender melhor os fatos.

Não consigo entender (e olha nem sou até razoavelmente inteligente!) como as pessoas ainda vão para as ruas em prol de uma sociedade exploratória, cujo lucro está acima de qualquer valor moral (e não me venham com o papo de que a foto da babá não tem nada a ver porque os patrões estavam dando uma oportunidade para ela, porra alguma, quero ver a filha/sobrinha/afilhada de alguém que estava lá protestando escolher a profissão de Babá se isso não vai dar merda e revolta dentro de casa) ainda apoiam políticos como Aécio Neves, Geraldo Alckimin, Eduardo Cunha, Bolsonaro e Malafaia ao invés de lutar por melhorias nas escolas, na saúde pública e pela reforma tributária e política.

Não consigo aceitar como "representantes do povo", homens que tem discurso racista, segregador, homofóbico, religioso opressor e por aí vai tem tantos seguidores, por Odin, não consigo entender mesmo!!!!

Sou mãe solteira, tatuada, empresária, esposa, espírita, e não quero e nem pretendo me enquadrar no estereótipo imposto pela sociedade (retrógrada e hipócrita). Sou aquela parte da família que carrega um "ovelha negra" tatuado na testa e, na boa, isso não me afeta há um bom tempo, pois sei dos meus valores, defendo o que acredito e eu olho adiante, muito mais do que para o meu próprio umbigo.

Mas dizem que o povo tem os governantes que merecem.
Depois os últimos acontecidos, tenho cada vez mais certeza disso.

Tento respeitar a opinião contrária às minhas, o que não quer dizer que vou acatá-las ou ficar calada, concordando com tudo, utilizando uma cara de paisagem. Me nego também a deixar de amar os meus familiares ou amigos por serem de Direita mas lamento que a visão deles seja tão egoísta e burguesa.
Não vale a pena.
Não vale....

Quanto à posse hoje do Lula como Ministro da Casa Civil, vou repetir algo que disse a um querido amigo mais cedo: " A minha ideologia foi deturpada pelo indivíduo e as minhas esperanças por um Brasil mais igualitário e justo a todos se encerraram hoje."

Sou esquerdista, não alienada.

Gostaria que pessoas como Maluf, que é procurado pela Interpol e teve sua prisão solicitada pela França fosse preso, e não, deputado federal.

Gostaria que o Zezé Perrela fosse preso pelo seu helicóptero com meia tonelada de pasta base cocaína, e não, senador.

Gostaria que o Eduardo Azeredo, cuja prisão também já foi decretada e sua culpa já comprovada pela Justiça fosse preso, e não, senador.

Não quero uma Justiça com dois pesos e duas medidas, mas sim, que todo sejam punidos de forma impecável para que sirva de exemplo a todos os outros que quiserem ferrar com o meu povo.

Sim, eu utilizo todos os serviços públicos possíveis.
Meu filho estudou nos últimos dois anos em escola pública estadual.
Faço meu tratamento de endometriose e de catarata em postos de saúde e hospitais públicos.
Meus remédios vem do posto de saúde e todo o meu tratamento tem suas morosidades, mas funciona quando eu cumpro com os prazos estipulados pelos médicos.
Outro dia meu filho se machucou, como não tenho dinheiro para arcar com planos de saúde caríssimos, que exploram a doença dos outros, corri com ele para o Pronto Socorro do João XXIII onde ele foi prontamente atendido, examinado e medicado.

Vi amigos comentando sobre pagar R$ 30,00 no KG da carne moída, sendo que eu compro todas as minhas carnes no mesmo bairro que a pessoa mora e pago R$ 14,00, realmente existem "preços" e preços, tudo depende de onde se busca o produto.

Sim, passo por dificuldades financeiras, estou devendo até as minhas calcinhas, seja para o banco, seja para o meu sogro lindo que amo tanto e que nos acode sempre, mas busco alternativas para melhorar a minha situação profissional e honrar os meus compromissos.

Mudei minha rotina de trabalho e hoje ralo em média 10 a 12 horas por dia, de segunda a sábado, isso quando não fico aqui das 9 da manhã até as duas da madrugada direto.
 
Abri mão de uma vida social, de uma vida familiar, e até de uma vida acadêmica em prol do meu objetivo atual. Se é justo eu não sei, mas o meu papel estou fazendo: luto por um futuro melhor, por uma economia melhor e por uma sociedade mais justa.

Tenho uma funcionária que recebe um salário digno com todos os benefícios que a lei exige, pago os tributos devidos e torço imensamente para que, cada vez mais, eu possa ser um instrumento do universo para o auxílio do crescimento de outras famílias através do seu trabalho na minha empresa.

E assim, rogo à Odin, Buda, Satanás, Baphomet, Moisés, A Grande Batata, JC e seus deuses pessoais que o nosso país seja lavado pelo tsunami da verdade, mas, que cada brasileiro aprenda a ser honesto, correto, que cumpra com os seus deveres como cidadão, que parem de roubar a internet e a tv a cabo do vizinho, que devolvam o troco a mais, que não soneguem impostos (sim, pago todos os que me são cobrados religiosamente) e que a conduta individual de cada um seja melhor do que o seu discurso no Facebook.

Boa noite.

31 de jan de 2016

Sobre escolhas, casamento e excesso de Jack Daniels...

Hoje foi um dia atípico.

Minha irmã (que é o ser mais enrolado da face da Terra) resolveu me visitar no bistrô.
Colocamos um pouco dos mil assuntos que sempre temos em dia, rimos bastante, chorei com o abraço (e a falta que ela me faz), e enchi a cara de Jack Daniels, não por precisar sair da minha realidade, mas sim, porque eu estava deveras feliz com a presença dela e do meu cunhado lindo lá.

É impressionante como você pode passar meses, até anos, sem ver/falar com uma pessoa, e, ao vê-la, é como se tivéssemos nos encontrado ontem!
Eu e minha irmã somos assim...
É um amor pra vida toda!

F.a.m.í.l.i.a

Além disso, a partir de hoje, faltam 15 dias para o meu casamento no civil. 
A ficha vai caindo, um futuro incerto e maravilhoso começa a se formar na sua frente e mil dúvidas vão surgindo. Mas é isso mesmo, toda mudança tão forte mete medo. E não vejo muito problema nisso, porque sei que será uma mudança que me trará muitas alegrias, mais do que já venho vivendo nesses últimos 3 anos ao lado do meu grandão lindo.
Meu noivo (quase marido!) é, acima de tudo, meu melhor amigo. 
É aquele que vela meu sono, que cuida de mim, que me apoia, entende as minhas falhas, me faz rir e enxuga as minhas lágrimas. 
Se ele é perfeito?
Sim! Dentro de toda a sua imperfeição!
E a cada dia que passa eu sinto que não poderia ter lutado mais por um homem do que por ele. 
Desde a primeira vez que ficamos, tive a certeza absoluta de que era ele o indivíduo com quem eu iria partilhar o resto da minha vida... 
Não me perguntem o porquê, eu só sabia...
Provavelmente não teremos filhos, mas sei que o nosso amor vai durar a vida inteira, e, sinceramente, isso já me basta.

No mais, é isso, estou deverasmente consumida pelo álcool e por caraminholas, um beijo no coração de todos!


19 de nov de 2015

Reencontros e despedidas

É engraçado (e, ao mesmo tempo, irônico), como deixamos certos hábitos pra trás.
Uma vez me disseram que a dor é combustível para a inspiração e, diante de certas constatações, tenho que concordar.
2015 foi um ano difícil, de muito trabalho duro, de pouco retorno financeiro, muitas gargalhadas e muitas concessões. 
Fiquei mais próxima do meu filho e mais longe dos amigos...
Perdi o prazer de beber todos os finais de semana e aprendi a apreciar uma cerveja gelada na hora certa, com a cia ideal.
Busquei à Deus e acabei me encontrando dentro do meu Eu.
Descobri a paz no amor... E a dificuldade em mantê-la.
Ainda continuo numa jornada longa em busca da minha paz interior. 
Me tornar uma pessoa melhor e mais responsável ainda é minha maior prioridade, sei que ainda estou longe de alcançar este objetivo mas aprendi que nada é impossível quando se tem dedicação, boa vontade e uma pitada forte de determinação.
Minhas decisões agora parecem mais claras, o apego a certas situações que me fazem mal já não habita mais no meu coração e sim, estou disposta a mudar tudo o que construí até hoje se isso me der mais tranquilidade e estabilidade financeira.
Tenho a sorte de ter ao meu lado um homem correto e brilhante, além de um filho adorável, companheiro e cujo meu amor e dedicação ainda são poucos perto do que ele merece.
Que esse final de 2015 me traga as certezas de que tanto preciso e que o Universo continue conspirando a meu favor, abrindo meus caminhos e minha mente em direção a Luz.
Beijo na alma!




31 de mar de 2015

Eu volteeeiiii, agora pra ficcaaaaarr, porque aquiiii, aqui é meu lugaarrr!!

Depois de anos luz, onde o Império já derrotou os Jedi e eles se reergueram, eis me aqui, humildemente, para pedir o perdão de todos os meus seguidores lindos pela minha ausência.

Muitas novidades batutas, dentre elas que agora sou uma Chef de (micro) Cozinha no meu Bistrô lindo, o www.donahelo.com.br que me enche de orgulho cada vez mais e que comecei um novo projeto para tentar emagrecer e que acabou virando um blog (como não poderia deixar de ser), quem tiver um tempinho e quiser se divertir, segue aí o http://papodemocas.blogspot.com.br/ !

No mais, prometo um post cheio de coisas legais ainda esta semana beleza?!

Juro juradinho!

Beijo bunito!

15 de out de 2014

Ei, psiu!

Ai gente, eu sei, estou tão tão tão alienada com meu fiote querido (Blog da Kau) mas a minha vida tá uma loucura level Hard então peço desculpas e prometo que ainda nesta semana vou fazer um post batuta prá dedéu para compensar toda a minha negligência ok?


Beiju beiju!

10 de set de 2014

10.000 years later...

Sim,
Estou viva.
Não sei bem se o conceito "viva" se aplica no momento, estou mais para "sobrevivente" mas vamos lá.

Um quadrilhão de coisas aconteceram nos últimos 12 meses, namorado, emprego novo, casa nova, amigos novos, coisas boas, coisas ruins, mais tatuagens, menos tempo para mim, mais shows, mais grana, menos tempo para os amigos.

Enfim...

Mas a mudança mais drástica está ocorrendo dentro de mim. Claro que a terapia tem ajudado bastante, mas a minha opção em esconder mais os meus sentimentos e problemas tem evitado certos conflitos com as pessoas mais próximas. Se isso me faz bem? Definitivamente não. 
Sempre fui boa em colocar tudo o que me incomodava pra fora, mas agora me encontro numa situação delicada onde uma explosão minha coloca um futuro inteiro abaixo.


Tenho meio que "fingido de boba" para uma situação que está me incomodando deverasmente, e eu acho engraçado como pessoas tão próximas à mim não perceberam que eu já saquei tudo mas estou fingindo lindamente. Essa é uma das minhas qualidades: sei ser falsa quando preciso. E olha, tá pra nascer alguém que desenvolva a nobre arte da falsidade tão bem quanto eu.
Se isso vai durar? Who knows...
Mas no momento estou administrando as informações e ludibriando a minha ira interior, mas aí eu junto uma prova aqui, descubro outra coisa ali, e juntando os pontinhos mais cedo ou mais tarde a história vem à tona.

Essa é a vida real, onde você pode até mentir para várias pessoas por um tempo, mas nunca para todas ao mesmo tempo.

Good night Nação!


21 de abr de 2014

Boa noite, meu nome é Negligência.

Depois de um longo e tenebroso inverno, venho aqui humildemente pedir desculpas à mim mesma por ter deixado minha terapia preferida (escrever aqui) tão jogada às traças.

Mas a correria do dia a dia, uma nova mudança profissional, de residência e de status pessoal estão tomando mais tempo do que deveria e não estou sabendo bem como coordenar tantas tarefas.

Enfim, pretendo muito em breve organizar a minha rotina e retomar meus hobbies tão simples e necessários à mim.

No mais, coração em paz, ansiedade a mil pela mudança e a certeza de que estou fazendo as escolhas certas aumenta mais a cada dia.

Não posso deixar de agradecer ao Universo por ter colocado um mocinho tão especial na minha vida, que me ensinou a ter paz, carinho e novos olhares...


Trust I seek and I find in you
Every day for us something new
Open mind for a different view
And nothing else matters



19 de fev de 2014

Vem!!!

Eu te... proponho!
É, eu te proponho um pacto de amor. Deixe as mágoas prá lá, a inveja, o ódio, tudo aquilo que te faz mal. Vem comigo, vem! Logo ali na frente tem gente precisando de um sorriso. 
Corre, cumpra suas obrigações do dia e depois vem comigo... 
Vamos juntar uns trocados e comprar comida para aquele velhinho que fica lá na porta da padaria. 
Quem sabe não encontraremos um menino de rua precisando de um papo carinhoso e quem sabe, depois desse papo, ele não nos dá um abraço bem gostoso que vai aquecer o nosso coração a noite inteira?
Vem comigo, vem! 
Podemos ter tantas surpresas boas ao dividirmos o amor que temos em nosso coração. 
Bóra?